Quando você vai promover uma mudança significativa na sua rotina, não é nada mal ter algum apoio. Se tiver parceiros na empreitada, melhor ainda. Então, que tal adotar atividades físicas em família e prevenir a obesidade?

Praticar atividade em grupo pode ser mais divertido. Marcio Atalla, professor de Educação Física com especialização em treinamento de alto rendimento e pós-graduação em Nutrição pela Universidade de São Paulo (USP), afirma que uma mudança em conjunto, que reúna toda a família, é ideal porque um serve de incentivo ao outro.

Mas é importante escolher atividades que todos gostem. “Se não houver essa satisfação, a tendência é que, após um tempo, a família abandone aquela atividade”, diz.

E não precisa procurar academias de ginástica ou aulas de esporte, se não for do desejo da “equipe”. Dá para se exercitar em casa, no quintal, na rua, em qualquer canto. O mais importante é ter disciplina. Para conseguir isso, Atalla sugere programação: uma reunião familiar, onde se consiga organizar as rotinas de todos e estabelecer certos horários. “Assim como há horário de almoço, de jantar, de dormir e de escovar os dentes, deve haver também um horário da atividade física. Para não desistir, é preciso insistir”, acrescenta. 

Como as mudanças de hábitos nem sempre são fáceis, Marcio Atalla sugere que o esquema de atividade física estabelecido pela família seja mantido por, no mínimo, três meses sem direito a desistências, para que o “projeto família ativa” não caduque precocemente.

É importante negociar como essa rotina será adotada. No caso das crianças, dependendo da idade, os pais ou responsáveis terão que decidir por ela.

“A natação, por exemplo, deve ser obrigatória até que se aprenda a nadar e seja possível sobreviver em caso de necessidade. Existe também a inconstância da criança, que em alguns momentos quer fazer a atividade e em outros não, que às vezes sente dificuldade e quer parar, ou que tem vergonha de algum amigo que é melhor. Insistir é bom, ajuda na formação do caráter da criança, a ter disciplina e persistir”, garante.