Quais são os traços mais marcantes de uma criança e como eles interferem na sua relação com os outros e com o mundo? O eneagrama, uma ferramenta para o autoconhecimento, pode auxiliar quem lida com crianças. O psicólogo André Prudente, mestre em Psicologia  pela Universidade de São Paulo, utiliza o método para apoiar pais e professores interessados em ajudar seus filhos e alunos a desenvolverem seus potenciais e a conhecerem seus limites.

“O eneagrama é um mapa de autoconhecimento. Seu símbolo é formado por um círculo, um triângulo equilátero e uma héxade, que juntos constroem uma figura geométrica semelhante a uma estrela de nove pontas. Cada um dos nove pontos representa um dom ou potencial que faz parte de todo ser humano. Mas, em cada um de nós, um desses nove traços é predominante e estrutura nossa personalidade”, explica Prudente, que atua na Casa Casulo Cuidados Terapêuticos e Educativos, em Aracaju, e é conselheiro da Associação Brasileira do Eneagrama (IEA Brasil). 

No caso da obesidade infantil, o mapa de consciência pode ser útil para ajudar a compreender a dinâmica psíquica que favorece essa condição: “O eneagrama não explica o processo todo, mas ajuda a entender o nó emocional da criança com obesidade e pode dar pistas para desatá-lo”, enfatiza. Para isso, podem ser usados jogos, brincadeiras e recursos artísticos.   

 Segundo Prudente, os nove potenciais se manifestam de forma saudável, normal e não saudável. “Quando a criança está saudável, ela manifesta a qualidade do dom, a sua essência. Quando não está bem, o potencial é distorcido em maior ou menor grau”. A obesidade, por exemplo, pode estar associada a formas de compensação ligadas a diferentes motivações. “Atendi uma adolescente com obesidadeem que predominava a força como característica principal. Para lidar com sua fragilidade, ela era agressiva e acabava afastando os outros por causa disso. Depois, compensava na comida. Era uma forma de dizer: ‘não mexam comigo’”.

O psicólogo acrescenta que a ferramenta ganhou destaque nas décadas de 1930 e 1940. Mais tarde, no final do século XX, o psiquiatra chileno Cláudio Naranjo, um dos 273 indicados ao Prêmio Nobel da Paz de 2015, aprofundou os estudos psicológicos a respeito do eneagrama, que atualmente é aplicado em mais de 30 países, em diversas áreas do conhecimento, incluindo a educação.  “O trabalho auxilia o educador, ou seja, o pai, a mãe ou o professor, a entender e ajudar a criança no todo. Se você conhecer o jeito dela, vai conseguir estimulá-la a se desenvolver”, afirma.