Depois de uma jornada cansativa de trabalho, é hora de ajeitar os preparativos para o dia seguinte. Preparar a lancheira das crianças é uma das tarefas cotidianas para boa parte das famílias com filhos em idade escolar.  Bolar um lanche apetitoso, saudável e que atenda às necessidades nutricionais compatíveis com a proposta dessa refeição ligeira exige algum conhecimento e uma pitada de criatividade.

Segundo o pediatra Hélio Fernandes da Rocha, chefe do Serviço de Nutrologia Pediátrica do Instituto de Puericultura e Pediatria Martagão Gesteira, da UFRJ, a merenda representa um percentual pequeno da ingestão cala diária, de 10% a 15%. Apesar disso, seu papel é fundamental para garantir o pique da criança no meio da manhã ou da tarde:

"O lanche garante energia para manter a capacidade laborativa e intelectual da criança. O ideal é que ele não falte."

Mas o que colocar na lancheira? Segundo o médico, um dos autores do manual "Lanche saudável", da Sociedade Brasileira de Pediatria, o cardápio deve levar em conta os hábitos culturais da região. Significa que os alimentos típicos, aqueles produzidos localmente, são os que melhor suprem as necessidades dos habitantes. E, quanto mais naturais, melhor:

"Alimentos industrializados svem ser oferecidos em mo caso. É preciso que a pessoa compreenda as informações presentes no ro e se certifique de que não contêm percentuais altos de sal, açúcar, gorduras trans, disruptores endnos (substâncias que interferem no funcionamento hormonal). Estudos mostram que alguns produtos industrializados adotam artifícios de sabores que escravizam as crianças."

As frutas são, portanto, as melhores opções. Além delas, é preciso mandar para a escola uma fonte de carboidrato: um pãozinho, biscoitinhos ou um pedaço de bolo, que vão garantir a energia para as brincadeiras e o aprendizado. Para beber, iogurte, suco ou água.

"Enviar uma fruta e um suco é redundante. Além disso, o suco contém mais calorias. Um copo de suco de laranja consome três frutas pelo menos. O melhor é enviar a fruta e água. Aliás, a criança deve ser estimulada a beber água com frequência, mesmo que ela leve um suco ou um achocolatado. O ideal é que ela não chegue a ficar com sede. A água garante o adequado funcionamento renal e intestinal."

Rocha sugere ainda que as famílias caprichem na apresentação do lanche, recorrendo a embalagens dos personagens favoritos das crianças ou a outras soluções charmosas para que, na hora do recreio, os pequenos fiquem orgulhosos da merenda que trazem de casa:

"As crianças compartilham o lanche, e algumas ficam constrangidas ao apresentá-lo aos amigos. Vale a pena usar caixinhas ou outros invros que atraiam a atenção e que façam a criança se sentir confortável em oferecer aos colegas."

Veja sugestde lanches por faixa etária

Para crianças de 2 a 3 anos

 

Para crianças de 4 a 6 anos

 

Para crianças de 7 a 10 anos

 

Fonte: Manual "Lanche saudável", da Sociedade Brasileira de Pediatria.