Oferecer um lanche saudável, saboroso e nutritivo é uma forma de evitar que o seu filho fique beliscando besteiras e coma além do que é preciso. Os lanches no meio da manhã e da tarde são imprescindíveis, pois ajudam a repor a energia necessária para manter a criança disposta e longe do mundo das guloseimas. Atente-se às dicas a seguir.

 

Dê preferência aos alimentos naturais: o lanche deve fazer parte da nossa alimentação diária levando-se em conta os hábitos culturais de cada região. E quanto mais natural e rico em fibras melhor. Sendo assim, as frutas e as verduras são boas opções, porque contêm vitaminas e possuem poucas calorias e gorduras. Ofereça a seu filho maçãs em pedaços pequenos (e também desidratadas), bananas, uva-passa, purê de frutas secas, cenouras cortadas, cereais sem açúcar, biscoito água e sal, queijos magros em tiras. Incentive-o a beber bastante água, mesmo nos dias de temperatura amena. Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria, o lanche diário deve ter uma bebida (sucos, chás, água de coco engarrafada ou em embalagem tetra-pack, preferencialmente sem açúcar); uma fruta (frutas são práticas para consumir com casca ou cuja casca pode ser retirada facilmente); um carboidrato, pois fornece energia (pães integrais, bolachas sem recheio e bolos caseiros) e um tipo de proteína (os derivados do leite, como queijos, requeijões, iogurtes).

Sirva no prato: melhor servir o lanche diretamente no prato, numa porção adequada, principalmente se a criança estiver distraída com alguma brincadeira ou assistindo à TV. Dessa forma, há menos risco de o seu filho comer demais. O tamanho do lanche deve ser adequado às necessidades de cada criança. Por exemplo, ofereça meia banana a uma criança de dois anos e uma banana inteira a outra de 10 anos. Na dúvida, consulte o pediatra.

O que evitar: produtos ultraprocessados, ricos em sal, gordura e açúcar, como batatas fritas, biscoitos gordurosos e sorvetes industrializados devem sempre ser evitados. É melhor nem ter esses alimentos em casa ou guarde-os em lugares de difícil acesso às crianças. Ao organizar o seu armário ou geladeira, deixe os produtos saudáveis à frente, mais visíveis. De vez em quando, pode-se permitir um lanche da lista de restritos. De acordo com a Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), realizada em parceria com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), atualmente, no Brasil, 60,8% das crianças com menos de dois anos de idade comem biscoitos, bolachas e bolos e 32,3% bebem refrigerantes ou sucos artificiais.

Busque o equilíbrio: se a única opção for um lanche com produto industrializado, leia com atenção os rótulos. Se a quantidade de calorias de gordura representa mais da metade das calorias totais, o lanche não é uma opção saudável. Evite os lanches industrializados que contenham açúcar no topo da lista de ingredientes. Escolha alimentos tratados de forma higiênica; e armazene tudo com cuidado e em temperatura adequada à boa conservação. Aprenda a ler os rótulos com o “Manual de Orientação aos Consumidores – Educação para o Consumo Saudável”, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Confira o link: <http://www.anvisa.gov.br/alimentos/rotulos/manual_consumidor.pdf>.

Cuidado com as bebidas: nada de refrigerante e bebidas isotônicas. Até mesmo os sucos 100% da fruta podem favorecer o ganho de peso. Uma criança que bebe um copo de 360 mililitros de suco de laranja todos os dias pode ganhar até 7 quilos por ano, caso ela já esteja consumindo calorias suficientes. Se o seu filho prefere bebidas com sabor ou suco a água, dilua estas bebidas com água. Comece aos poucos e aumente a quantidade. Com o tempo, ele nem vai perceber diferença no sabor. As crianças de 1 a 6 anos de idade não devem tomar mais de 120 a 180 mililitros de suco 100% fruta ao dia. E os meninos e meninas de 7 a 18 anos não mais de 240 a 360 mililitros.

Lancheira saudável: para saber mais ao respeito do preparo de lanches para as crianças, consulte o capítulo 7 e anexos, com a pirâmide alimentar, do Manual da Sociedade Brasileira de Pediatria. Veja o link: <http://www.sbp.com.br/pdfs/manual_lanche_saudavel_04_08_2012.pdf>.

 

Fontes: Sociedade Brasileira de Pediatria, Ministério da Saúde e “Nutrition and family medicine”, Thompson M, Noel MB.